Se você não conseguir editar a wiki após o login, você precisará solicitar direitos de edição usando este formulário. Você será notificado assim que tais direitos de edição lhe forem concedidos.

Cambé, Paraná - Genealogia

Fonte: FamilySearch Wiki
Revisão em 05h49min de 5 de outubro de 2016 por EBBINGIVAIRDEONEI (discussão | contribs) (Foram feitas edições nos Tópicos "Outros Locais e Instituições".)
(dif) ← Revisão anterior | Revisão atual (dif) | Revisão seguinte → (dif)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Brasil Gotoarrow.png Paraná Gotoarrow.png Cambé

(Inclua nesta página dados deste município. As informações em itálico são apenas orientações e deverão ser suprimidas assim que os conteúdos forem incluídos.)

CambePR.svg.png

Localização:Mesorregião Norte Central Paranaense
Área: 494,692 km²
Distância da Capital: 411 km

Datas
[editar | editar código-fonte]

(Inclua datas históricas relacionadas ao município, como data de fundação, emancipação política, etc.)
Cambé é um município da Região Metropolitana de Londrina, no estado do Paraná. Sua população estimada em 2013 era 102.735 habitantes. Existe uma teoria que aponta que o nome do município tem origem caingangue. Outra teoria, porém, diz que "Cambé" origina-se da língua tupi (Caá significando "mata, árvore" e mbê, "raízes aéreas"). A Enciclopédia dos Municípios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, traduz a denominação para "Passo do Veado", de origem Tupi, porque, segundo consta, "...aquela região era abundante em caça, daí derivando o nome de Cambé". O nome é uma herança da política da Campanha de nacionalização do Brasil de Vargas, que continua até a atualidade democrática de direito que é bem posterior à ditadura de Vargas, sendo uma substituição ao nome "Nova Dantzig", que era de origem germânica. Porém, a cidade tem nome popular não nativo de Dantzig, a qual está na Polônia e não na Alemanha; os poloneses chamam de Gdańsk.

Em 09 de outubro de 1937, o então Patrimônio de Nova Dantzig foi elevado à categoria de Distrito Judiciário através da Lei 191, de 09 de outubro de 1937. A elevação do Patrimônio à Distrito e depois à Município, ocorreu respectivamente em 1937 e 1947. Após, o governador Moysés Lupion assinou a Lei Dois, de 10 de outubro de 1947, elevando o distrito à categoria de município. A instalação do município ocorreu no dia 11 de outubro de 1947, onde foi nomeado o prefeito provisório. Com a elevação a município, era necessário que se escolhesse o primeiro prefeito e vereadores que representassem a vontade popular. No dia 16 de novembro de 1947, os cidadãos de Cambé elegeram o professor Jacídio Correia, primeiro prefeito de Cambé.

Antigas Denominações
[editar | editar código-fonte]

(Inclua antigos nomes que o município tenha tido.)

Passo do Veado;

Nova Dantzig.

Municípios Circunvizinhos
[editar | editar código-fonte]

Localidades
[editar | editar código-fonte]

(Inclua sublocalidades do município que sejam significativas, tais como povoados, fazendas, estâncias, etc.)

• Missão Jesuítica de San Joseph;

• Sítio Arqueológico Fazenda Santa Dalmácia;

• Colônia Neo Danzig.

História
[editar | editar código-fonte]

Em 1925, a Companhia de Terras Norte do Paraná adquiriu uma área de 515 mil alqueires de matas nativas, equivalentes a 14% do total do Estado, de solo fértil e pronta para ser colonizada. Somaram-se à essas vantagens o incentivo à imigração e a difícil situação econômica do Ocidente, que criaram condições necessárias para ocorrência de uma corrente migratória para a América. Assim chegaram os pioneiros de Cambé, alemães oriundos da cidade de Dantzig atual Gdansk, na Polônia, tornada independente após a 1ª Guerra Mundial. Por se tratar de um importante porto industrial, Dantzig foi objeto de disputa entre a Polônia e a Alemanha, fato que gerou ainda mais a economia daquela cidade. O alto nível de desemprego e o peso da seguridade social obrigaram o governo local a incentivar a emigração. As primeiras 10 famílias chegaram à futura colônia de Nova Dantzig em janeiro de 1932. O nome foi escolhido pela Companhia de Terras, que previu para Cambé a vinda de um grande número de pessoas de Dantzig. Por causa do clima tropical a que não estavam acostumados e devido a flora e fauna estarem intocadas, enfrentaram muitas dificuldades para iniciar a colonização. Muitas daquelas famílias desistiram de permanecer na nova terra. Mas, atraídos pela fertilidade das terras, vieram em seguida japoneses, italianos, eslovacos, portugueses, alemães, espanhóis, libaneses, além de paulistas e nordestinos. O Norte do Paraná, afinal, significava a oportunidade de reiniciar vida nova em um ambiente fértil e promissor. Depois das primeiras matas derrubadas, vieram as lavouras, formando uma economia baseada na agricultura. A cultura cafeeira, que impulsionou a região durante 40 anos, constituía-se como principal atividade dos colonizadores. O comércio, inicialmente instalado para atender a demanda local, acompanhou a passos largos a evolução da colônia, o mesmo acontecendo com a indústria, na época de característica puramente agro-industrial. Já na década de 40, o advento da 2ª Guerra Mundial fez com que o Governo do Estado obrigasse as cidades e as colônias de nomes relacionados com os países inimigos a trocarem de denominação. Nova Dantzig passou a se chamar Cambé, nome de um Ribeirão que banho o Município. Segundo consta, aquela região era abundante em caça, daí derivando o nome de Cambe (Passo do Veado). Gentílico: cambeense.

- Alguns aspectos da colonização de Cambe. No início da colonização, além da extração da madeira muito abundante em toda região, o café, algodão, cereais e a criação de animais faziam parte da cultura diversificada de Cambé, pois o sistema de pequenas e médias propriedades rurais planejados pela Companhia de Terras estimulava a atividade econômica voltada para a terra. A lavoura cafeeira foi a que mais se destacou. Segundo o Jornal Paraná Norte de 09 de Outubro de 1935, existiam nas imediações de Nova Dantzig 800.000 pés de café em formação. O setor agrário constituía a parcela mais expressiva das atividades econômicas da população. No recenseamento de 1940, 69% da população estavam fixados na zona rural. A mesmo tempo, o núcleo urbano passou a crescer, tornando-se centro de abastecimento e prestação de serviços para a população. A sociedade urbana era formada por pequenos e médios comerciantes, além de alfaiates, barbeiros, sapateiros, pedreiros, carpinteiros, marceneiros, caixeiros de lojas de armazéns, farmácias e operários. Surgem em seguida os profissionais liberais, funcionários públicos municipais e estaduais (estes como resultado da elevação do patrimônio a distrito e depois a Município respectivamente em 1937 e 1947). O transporte no início da colonização era uma preocupação de todos. Sem meios de escoar a produção o projeto colonizador estaria prejudicado. Em 1928 a Companhia Ferroviária São Paulo - Paraná completou a ligação ferroviária até Cambara, no Paraná. Depois a Paraná Plantation (controladora acionária da Cia de Terras Norte do Paraná) assume o controle acionário e leva os trilhos até às margens do Rio Tibagi em Jataí. Transposto o Rio com a construção da ponte ferroviária, os trilhos chegam em Londrina no início de 1935. Em seguida foi preparado o leito d estrada de ferro no trecho Londrina - Nova Dantzig e no dia 15 de agosto de 1935 com aplausos da comunidade e ao som da Banda Musical de Londrina, a Locomotiva "Três" chegou no local onde está a atual Estação Ferroviária. Além do trem, para o transporte de pessoas e o escoamento da safra, a população contava com as carroças, meio de transporte mais comum entre os primeiros moradores. Nas carroças, a produção agrícola era escoada para os centros consumidores, pessoas se deslocavam em toda região, mudanças eram carregadas. A vida social era cheia de limitações, a religião em alguns casos era um "pretexto" para encontros sociais, pois as pessoas participavam das celebrações litúrgicas e festividades da Igreja, como quermesses, porém nem sempre por convicção religiosa. Os bailes na cidade aconteciam na Escola Alemã, no Hospital São Francisco que na época (final da década de 30, começo da década de 40) vivia fechado e nas casas de alguns moradores. No dia 04 de outubro de 1941 foi inaugurado o Tênis Clube de Nova Dantzig, (atualmente Harmonia Tênis Clube). Esse Clube Social surgiu para suprir a falta de um lugar para os jovens se reunirem. O cinema também era um meio de diversão apreciado por um grande número de pessoas. Em Nova Dantzig, o primeiro cinema foi o Cine São José inaugurado em 27 de Agosto de 1939, posteriormente passou a ser chamado de São João. Ficava na esquina da Avenida Inglaterra com a Rua Pará. Formação Administrativa - O Distrito de Nova Dantzig e a Cidade de Cambe. Em 09 de Outubro de 1937 o então Patrimônio de Nova Dantzig é elevado a categoria de Distrito Judiciário, através d Lei n° 191, de 9 de Outubro de 1937. Foram nomeados para o novo Distrito o Juiz de Paz Lino Gonçalves de Oliveira; o escrivão Rafhael Petraglia; o subdelegado de polícia Manoel Moura de Menezes e o agente de fiscalização estadual Carlos Correia Borges. Durante a 2ª Guerra Mundial o Governo do Estado assinou um decreto-lei n°199 de 30 de Outubro de 1943, publicado no diário oficial do dia 13 de Janeiro de 1944, mudando o nome das cidades que tinham relação com os países inimigos. Dessa forma Nova Dantzig passou a se chamar Cambé. Após a redemocratização do país em 1945, começou em Cambé um movimento emancipacionista, encabeçado pelo Professor Jacídio Correia e pelo Médico Dr. José dos Santos Rocha. Esse movimento culmina com a criação da Sociedade dos Amigos de Cambé, criada para lutar por quaisquer causas que beneficiasse a cidade. Atendendo ao apelo da população e tendo em vista o crescimento promissor de Cambé, o Governador Moysés Lupion assina a lei n°. 2, de 10 de Outubro de 1947, elevando o Distrito a Categoria de Município, desmembrando-o de Londrina. A instalação do município ocorreu no dia 11 de Outubro de 1947 e o Sr. Eustachio Sellmann foi nomeado o prefeito provisório. Com a elevação a Município era necessário que se escolhesse o primeiro prefeito e vereadores que representassem a vontade popular. No dia 16 de Novembro de 1947, os cidadãos de Cambé elegeram o Professor Jacídio Carreia, com 691 votos, derrotando o Dr. José dos Santos Rocha com 685. Nesse primeiro pleito eleitoral foram eleitos 09 vereadores e a Câmara Municipal foi instalada a 08 de Dezembro de 1947, no salão de festas do Harmonia Tênis Clube. Na ocasião foi eleita a mes diretora para o ano de 1948 e recebido o juramento de 1°. Prefeito eleito pelo povo cambeense. A administração do Prefeito Jacídio Correia foi marcada por obras imprescindíveis ao novo Município. Como Professor ele se interessou pela educação e construiu várias escolas e nomeou professores para o atendimento das mesmas. Construiu também o prédio próprio para o matadouro municipal e no final da gestão foram calçados com paralelepípedo, os primeiros trechos de ruas do centro da cidade.

Fonte: IBGE, Cidades (disponível em http://www.cidades.ibge.gov.br)

Ainda historicamente, as terras onde está localizado o atual município de Cambé eram compreendidas por uma imensa floresta, e nestas terras viveram diversos povos indígenas à base de caça, pesca, coleta de frutas, plantas e raízes e de uma agricultura rudimentar. Eram livres, donos da terra e viviam com muita abundância, apesar das técnicas aparentemente simples que utilizavam.

A presença dos povos indígenas que habitavam toda a região é marcada por registros de viajantes, por documentos oficiais do estado e também por objetos arqueológicos encontrados em toda região. Os registros tais que afirmam ter presença de povos indígenas na região centenas de anos antes das colonizações são da década de 1990, sendo um pouco mais recentes do que as que afirmam ter existido um núcleo de padres jesuítas na região da atual Cambé, na qual a teoria arqueológica mais antiga pressupõe uma data séculos mais recente à teoria mais recente relacionada a presença de colonização indígena.

Em 1990, estudantes da zona rural de Cambé, incentivados por uma campanha do Museu Histórico, encontraram fragmentos, recipientes de cerâmica e peças líticas (de pedra), pertencentes às civilizações indígenas que viveram na região centenas de anos antes da colonização europeia.

Esses grupos indígenas que habitavam a região foram, ao longo do tempo, conquistados e aldeados em áreas delimitadas pelo estado. Porém, deve-se entender essa conquista como um ato brutal com base no contexto social atual de base gramscista, feita com práticas de perseguição, escravidão e guerras que houve durante a era colonial.

Sítio Arqueológico[editar | editar código-fonte]

No fim da década de 1980, quando implementos agrícolas preparavam o terreno para a plantação de soja, em uma área rural de Cambé, foi descoberta vestígios de uma redução jesuítica e após longas pesquisas, descobriu-se que foi a missão jesuítica de San Joseph. Atualmente é conhecida por Sítio Arqueológico Fazenda Santa Dalmácia e reforça a história dos Jesuítas em várias regiões do sul do Brasil no período da colonização brasileira.

Nova Dantzig - Colonização a partir da Companhia de Terras[editar | editar código-fonte]

Em 1925, a Companhia de Terras Norte do Paraná adquiriu uma área de 515.000 alqueires de matas nativas, equivalentes a quatorze por cento do total do estado, de solo fértil e pronta para ser colonizada. Somaram-se a essas vantagens o incentivo à imigração e a difícil situação econômica na Europa, que criaram condições necessárias para ocorrência de uma corrente migratória para a América.

As primeiras dez famílias que chegaram à futura cidade de Cambé por intermédio da Companhia de Terras eram oriundas da Cidade Livre de Danzig e chegaram à futura colônia em janeiro de 1932. O nome Nova Dantzig foi escolhido pela Companhia de Terras, que previu, para a região, a vinda de um grande número de pessoas de Danzig. Por causa do clima mais quente, ao qual não estavam acostumados e devido à flora e fauna estarem intocadas, enfrentaram muitas dificuldades para iniciar a colonização. Mas, atraídos pela fertilidade das terras, vieram em seguida japoneses, italianos, eslovacos, portugueses, alemães, espanhóis, libaneses, além de paulistas (do interior, por sua vez já fruto da imigração europeia) e nordestinos.

Café, algodão, cereais, extração de madeiras e criação faziam parte da cultura diversificada que existiam na região na época da colonização. Nova Dantzig não fugia disso, pois o sistema de pequenas e médias propriedades rurais estimulava a atividade econômica voltada para a terra.

Ao mesmo tempo, o núcleo urbano passou a crescer, tornando-se centro de abastecimento e prestação de serviços para a população. A sociedade urbana era formada por pequenos e médios comerciantes, além de alfaiates, barbeiros, sapateiros, pedreiros, carpinteiros, marceneiros, caixeiros de lojas de armazéns, farmácias e operários. Surgem em seguida os profissionais liberais, funcionários públicos municipais e estaduais (estes como resultado da elevação do Patrimônio a Distrito e depois a Município respectivamente em 1937 e 1947).

Em 09 de outubro de 1937, o então Patrimônio de Nova Dantzig foi elevado à categoria de Distrito Judiciário através da Lei 191, de 09 de outubro de 1937. Após a redemocratização do país em 1945, começou, em Cambé, um movimento emancipacionista, encabeçado pelo professor Jacídio Correia e pelo médico José dos Santos Rocha. Atendendo ao apelo da população e tendo em vista o crescimento promissor de Cambé, o governador Moysés Lupion assinou a Lei Dois, de 10 de outubro de 1947, elevando o distrito à categoria de município. A instalação do município ocorreu no dia 11 de outubro de 1947 e Eustachio Sellmann foi nomeado o prefeito provisório. Com a elevação a município, era necessário que se escolhesse o primeiro prefeito e vereadores que representassem a vontade popular. No dia 16 de novembro de 1947, os cidadãos de Cambé elegeram o professor Jacídio Correia primeiro prefeito de Cambé.

Parque[editar | editar código-fonte]

Um parque de importância na cidade é o Parque Histórico Municipal Danziger Hof, que é parte da colônia Neo Danzig, núcleo de imigrantes alemães da cidade de Danzig. No parque você encontrará a casa da família Tkotz, construída no início da colonização, que foi adquirida pela prefeitura da cidade em 2000 e transportada para o parque histórico, onde nela hoje são realizadas atividades culturais. Outra casa também presente é a casa da família Zifchak, sede do parque, que também foi adquirida pela prefeitura e transportada ao parque histórico.

Museus[editar | editar código-fonte]

O Museu Histórico de Cambé foi fundado em 30 de outubro de 1985, com objetivo de resgatar e preservar a história e a memória dos povos que colonizaram a cidade de Cambé. Seu acervo é composto de fotografias, documentos, objetos, revistas, livros, além de material de arqueologia dos povos indígenas que habitaram a região norte do Paraná. Ele se localiza no Centro Cultural. A maior parte do acervo se constitui de fotos.

Ruínas[editar | editar código-fonte]

Em Cambé, existe o Sítio Arqueológico Fazenda Santa Dalmácia, que é um conjunto de ruínas remanescentes da redução jesuítica de San Joseph.

Cultura[editar | editar código-fonte]

O Centro Cultural de Cambé, inaugurado no dia 1 de novembro de 1990 com intuito de promover a cultura, conta com uma moderna arquitetura em sua construção, e foi especialmente criada para abrigar o Museu Histórico de Cambé. No Centro Cultural também está a Biblioteca Pública Municipal.

 [editar | editar código-fonte]

Famílias Tradicionais[editar | editar código-fonte]

(Relacione as famílias mais antigas e tradicionais do município, por ordem alfabética de sobrenome e separado por vírgulas.)

CORREIA, Jacídio; ROCHA, José dos Santos; SELLMANN, Eustachio; TKOTZ, Família; ZIFCHAK, Família.

Instituições[editar | editar código-fonte]

Cartórios de Registro Civil, Notas e similares[editar | editar código-fonte]

(Inclua as unidades cartoriais do município, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver.)

Cemitérios[editar | editar código-fonte]

(Inclua o(s) nome(s) do(s) cemitério(s) do município, tanto públicos quanto particulares, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver)

  • Cemitério Municipal Symphoriano Kopf
    Telefone: (43) 3174-2605

Centros de História da Família[editar | editar código-fonte]

(Inclua o(s) nome(s) do(s) Centro(s) de História da Família existente(s) no município. Utilize a opção Inserir Hiperlink para ligá-lo à página do Centro na Wiki.)

Locais de Registros Religiosos[editar | editar código-fonte]

(Inclua as igrejas e outras instituições ligadas a estas, como dioceses, arquidioceses e escritórios, existentes no municípios, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver.)

Outros Locais e Instituições[editar | editar código-fonte]

(Inclua Associações, Arquivos Públicos, Bibliotecas, Institutos Históricos, Museus, Prefeituras e qualquer outra instituição que possa conter acervo de interesse para a História da Família ou que possa servir de meio para contato no município; inclua endereços, telefones para contato, e-mails e links para páginas virtuais, se houver. Relacione-os em ordem alfabética.)

  • Museu Histórico de Cambé
    Endereço: Praça Santos Dumont, 161
    Telefone (43) 3174-0291

Outros Recursos de Pesquisa[editar | editar código-fonte]

(Inclua outros recursos que possam ser utilizados para pesquisa específica no município, como comunidades online, páginas pessoais, etc.)

• Portal Indígena

Bibliografias[editar | editar código-fonte]

(Inclua livros já publicados relacionados à localidade.)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Cambé
  2. http://cod.ibge.gov.br/235A9