Se você não conseguir editar a wiki após o login, você precisará solicitar direitos de edição usando este formulário. Você será notificado assim que tais direitos de edição lhe forem concedidos.

Chapadão do Céu, Goiás - Genealogia

Fonte: FamilySearch Wiki
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Brasil Gotoarrow.png GoiásGotoarrow.pngChapadão do Céu

(Inclua nesta página dados deste município. As informações em itálico são apenas orientações e deverão ser suprimidas assim que os conteúdos forem incluídos.)


Goiás Municip Chapadão do Céu.svg.png

Localização: Mesorregião Sul Goiano
                       Microrregião Sudoeste de Goiás
Área: 2 354,822 km²
Distância da Capital: 480Km

Datas[editar | editar código-fonte]

Data de Emancipação: 16/01/1991

Município de Origem: Aporé

Elevado à categoria de município com a denominação de Chapadão do Céu (ex-povoado), pela Lei Estadual n.º 11.398, de 16-01-1991, desmembrado de Aporé. Sede no atual distrito de Chapadão do Céu. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1993.

Em divisão territorial datada de 2003, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2018.

Antigas Denominações[editar | editar código-fonte]

(Inclua antigos nomes que o município tenha tido.)

Municípios Circunvizinhos[editar | editar código-fonte]

Localidades[editar | editar código-fonte]

O município de Chapadão do Céu não possui nenhum povoado ou distrito.

História[editar | editar código-fonte]

As terras que compõem hoje o município de Chapadão do Céu, o Parque Nacional das Emas, parte dos municípios de Mineiros, Serranópolis e Aporé, num total de aproximadamente 250 mil hectares, na época parte do município de Jataí, GO, pertenciam, por direito de posse à família Garcia, desde os meados do século XVIII, documentados na década de 1890. Parte dessa área, transmitida de geração a geração, passou a Amélia Garcia Cunha, que delegou a seu filho Alberto a administração de seus bens.

Alberto Rodrigues da Cunha esteve pela primeira vez na região em 1946, aos 19 anos de idade. Na época, os habitantes dessa área se limitavam aos tios Filogônio Garcia, que morava na sede da Fazenda Formoso, Flávio Garcia na Fazenda Perdizes e os responsáveis pelos retiros da Fazenda Formoso: Teixeirinha, no Quero-Quero; Tobias, no Santa Fé (atual Fazenda Alto Formoso) e Jerônimo Simão no Marroais (atual Fazenda Santa Amélia).

Em 1947 Alberto mudou-se para a Fazenda Santa Amélia, então retiro Marroais, onde construiu sua primeira casa, de pau-a-pique, coberta de capim. Ali ele plantava roça para sua alimentação e recriava garrotes, que comprava na região de Jataí, Mineiros e Alto Araguaia e vendia em Araçatuba e São José do Rio Preto, SP.

Em 1948 trouxe o primeiro veículo motorizado para a região, que usava um couro de boi como lona, para cobrir a carroceria. Em 1949 ajudou a abrir a estrada da Serra do Café (Serranópolis) até o Bolicho Seco (Costa Rica, MS). Nos anos seguintes construiu uma serraria na Fazenda Santa Amélia e casas e currais na Santa Amélia, Olho D'água, Rancho Azul, Quero-Quero e Alto Formoso, continuou abrindo estradas pela região e construiu diversas pontes. Em 1964 construiu um campo de pouso na Santa Amélia e em 1970 comprou a Fazenda Moderninha, construindo casa, currais, cercas e formando pastos.

No final da década de 1970, Dona Amélia Garcia Cunha decidiu dividir suas terras com os netos. Assim a área que passou a ser a Fazenda Santa Amélia foi herdada pelos 9 filhos de Alberto R. Cunha e Nadir Garcia Cunha.

A região já possuía acesso pelas estradas abertas, mas além das casas de fazenda não havia nenhuma estrutura. O ponto comercial mais próximo ficava a 80 km. em Costa Rica, MS e a carência maior era sentida na falta de uma escola para as crianças dos trabalhadores das fazendas. Foi quando Alberto e seus filhos resolveram implantar nas terras da Fazenda Santa Amélia uma agrovila, idéia que se desenvolveu para a implantação de um loteamento urbano.

Nesta mesma época a crise fundiária no sul do país, juntamente com os aprimoramentos tecnológicos na agricultura, motivou muitas pessoas a buscarem novos espaços, novas terras para realizarem seus sonhos de se tornarem produtores; homens e mulheres do campo começaram a migrar para os cerrados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Minas Gerais, onde encontraram muita terra que, com a aplicação de técnicas de correção do solo tornavam-se altamente produtivas. Em Chapadão do Céu, que se esboçava, encontraram um anfitrião prestativo: Alberto Rodrigues da Cunha, empenhado no desenvolvimento da região.

No início da década de 1980, a arquiteta Marta Garcia Cunha, filha de Alberto, elaborou o projeto do Loteamento Chapadão do Céu. Logo foram construídas as primeiras casas, um posto de gasolina, uma usina hidrelétrica no rio Formoso, inicialmente gerando 30 Kwts, e depois ampliada para 450 Kwts e um poço semi-artesiano juntamente com uma caixa d'água. Em 21 de agosto de 1982 era colocada a pedra fundamental de Chapadão do Céu, com a inauguração do posto de combustíveis.

A força da terra atraía mais e mais famílias para a região, vindas de todas as partes do país para trabalhar na agricultura.

O povoado cresceu e conseguiu sua autonomia em 1991, o primeiro governo municipal instalou-se em 1º de janeiro de 1993, tendo o fundador Alberto Rua Cunha como primeiro prefeito e Pedro R. Guerini, seu vice. A segunda administração municipal tem à frente Pedro Rodrigues Guerini como prefeito, e Joênio Alves Araújo como vice.

Origem do nome

O topônimo Chapadão do Céu foi escolhido pelo fundador devido à ilusão de ótica ao se olhar para a cidade à distância, parecendo vê-la flutuar num imenso lago no horizonte.

Famílias Tradicionais[editar | editar código-fonte]

(Relacione as famílias mais antigas e tradicionais do município, por ordem alfabética de sobrenome e separado por vírgulas.)

Instituições[editar | editar código-fonte]

Cartórios de Registro Civil, Notas e similares[editar | editar código-fonte]

Nome Ofício de Registro de Imóveis e Anexos
Endereço Rua Guavira, 216 - Qd. 35 Lote 08

Chapadão do Céu 75828-000

Horário De 2ª a 6ª feira, das 8h às 11h e das 13h às 18h.
Contato Telefone : (64) 3634-2049

Fax : (64) 3634-2049

Email : cartorio.ceu@hotmail.com

Serviços Nascimentos, Casamentos, Óbitos, Notas, Protesto de Títulos, Registro de Contratos Marítimos, Registro de Imóveis, Registro de Títulos e Documentos, Registro Civil de Pessoas Jurídicas

Cemitérios[editar | editar código-fonte]

(Inclua o(s) nome(s) do(s) cemitério(s) do município, tanto públicos quanto particulares, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver)

Centros de História da Família[editar | editar código-fonte]

(Inclua o(s) nome(s) do(s) Centro(s) de História da Família existente(s) no município. Utilize a opção Inserir Hiperlink para ligá-lo à página do Centro na Wiki.)

Locais de Registros Religiosos[editar | editar código-fonte]

(Inclua as igrejas e outras instituições ligadas a estas, como dioceses, arquidioceses e escritórios, existentes no municípios, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver.)

Outros Locais e Instituições[editar | editar código-fonte]

(Inclua Associações, Arquivos Públicos, Bibliotecas, Institutos Históricos, Museus, Prefeituras e qualquer outra instituição que possa conter acervo de interesse para a História da Família ou que possa servir de meio para contato no município; inclua endereços, telefones para contato, e-mails e links para páginas virtuais, se houver. Relacione-os em ordem alfabética.)

Outros Recursos de Pesquisa[editar | editar código-fonte]

https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/chapadao-do-ceu/historico

https://www.cidade-brasil.com.br/municipio-chapadao-do-ceu.html

http://projetogoias.blogspot.com/2011/04/chapadao-do-ceu.html

Bibliografias[editar | editar código-fonte]

(Inclua livros já publicados relacionados à localidade.)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. https://pt.wikipedia.org/wiki/Chapadão_do_Céu
  2. http://cod.ibge.gov.br/2325Y