Se você não conseguir editar a wiki após o login, você precisará solicitar direitos de edição usando este formulário. Você será notificado assim que tais direitos de edição lhe forem concedidos.

Assis Chateaubriand, Paraná - Genealogia

Fonte: FamilySearch Wiki
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Brasil Gotoarrow.png Paraná Gotoarrow.png Assis Chateaubriand

(Inclua nesta página dados deste município. As informações em itálico são apenas orientações e deverão ser suprimidas assim que os conteúdos forem incluídos.)


Paraná Municip Assis Chateaubriand.svg.png

Localização: Mesorregião Oeste Paranaense
                   Microrregião Toledo
Área:  969,588 km²
Distância da Capital: 608Km

Datas
[editar | editar código-fonte]

(Inclua datas históricas relacionadas ao município, como data de fundação, emancipação política, etc.)

O Governador Paulo Cruz Pimentel, em solenidade realizada num barracão anexo à Paróquia Nossa Senhora do Carmo, no dia 20 de agosto de 1966, criou o município de Assis Chateaubriand, desmembrado de Toledo, elevando sua sede à categoria de cidade, cuja lei foi sancionada “in loco” (Lei n.° 5.389). Nesse dia esteve presente o embaixador Assis Chateaubriand, que em trecho de seu discurso disse: “A homenagem deveria ser prestada ao bandeirante Raposo Tavares, pois se não fosse ele, o Paraná nunca haveria de ser brasileiro”.

No ano de 1983, através de consulta popular, a cidade passou a ter também um slogan que identifica sua cultura e seus valores, passando a ser chamada de “Morada Amiga”.

Antigas Denominações
[editar | editar código-fonte]

(Inclua antigos nomes que o município tenha tido.)

Denominações já atribuídas ao município:

· Campo dos Baianos, de 1952 a 1958;

· Tupãssi, de 1958 a 1966;

· Assis Chateaubriand, a partir de 1966.

Municípios Circunvizinhos
[editar | editar código-fonte]

Localidades
[editar | editar código-fonte]

(Inclua sublocalidades do município que sejam significativas, tais como povoados, fazendas, estâncias, etc.)

Nossa Senhora do Belém de Guarapuava; Gleba Santa Cruz; Cidade Morena; Tupaci. 

História
[editar | editar código-fonte]

(Inclua um breve resumo histórico sobre o município, destacando os fatos que se relacionem ou que facilitem de alguma forma a pesquisa genealógica na localidade.)

O Oeste do Paraná tem uma rica história na sua contextualização, pois a partir do fim de 1541, o espanhol Álvar Núñez Cabeza de Vaca, adentrou ao território do Guairá, terra de muitas riquezas (árvores, fauna, rios e terras para o cultivo). Com sua comitiva atravessou o rio Iguaçu (Foz do Iguaçu), percorreu as margens do rio Tibaji (Curitiba), atravessou o rio Ivaí (Maringá), tomando rumo do oeste, transpassando o rio Piquiri (Umuarama e Assis Chateaubriand), em dezembro de 1541, retornando ao ponto de partida.

A referida área que compreende o município de Assis Chateaubriand, na atualidade, está situada no vale do rio Piquiri, sendo esta de domínio particular (terras que foram repassadas pelo Governo Imperial, numa área de 219.244 alqueires paulistas, que compreendia desde o rio Melissa (município de Nova Aurora) até o rio Azul (Município de Palotina), tendo como ponto de partida o ano de 1843, mais precisamente dia 10 de julho de 1843, documentada na freguesia de Nossa Senhora do Belém de Guarapuava, a favor de Francisco Antonio dos Santos. Tal imóvel rural foi denominado “Gleba Santa Cruz” e que após várias transferências, no ano de 1952, iniciou os trabalhos de colonização com Adízio Figueiredo dos Santos, através da Colonizadora União d'Oeste Ltda., onde foi registrado uma área de 90 mil alqueires paulistas no dia 15 de setembro de 1952.

No governo de Bento Munhoz da Rocha Neto (1951-1955), as terras foram confiscadas pela União, pois entendiam que eram terras devolutas. Com um mandado de segurança, Bento Munhoz da Rocha Neto garantiu a posse das terras.

Após julgamento a favor da Colonizadora, houve uma negociação com o governo de Moisés Lupion (1956-1960), chegando à seguinte resolução: fora devolvido metade das terras para o Governo e a Colonizadora União d'Oeste Ltda. ficou com posse definitiva, compreendendo entre o rio Verde (município de Jesuítas) e o rio Azul (município de Palotina).

De 1952 a 1958, foi dada a denominação de Campo dos Baianos, em homenagem a José Antônio de Araújo, o popular “Baiano da Foice”, que na época, cuidava do campo de aviação e, também por sua origem nordestina.

Nesse período, Adízio Figueiredo dos Santos também atribuiu a essa localidade de “Cidade Morena”, devido a vinda de pessoas do norte do país, e ainda do sul, ou seja, o encontro de duas correntes migratórias.

A Colonizadora Norte do Paraná S.A. começou a desbravar a região vale do rio Piquiri, em 28 de setembro de 1958, encontrando terras férteis, consideradas “as melhores do mundo”.

Oscar Martínez foi o fundador da cidade de Tupãssi, que em tupi significa “mãe de Deus”. Esse nome originou-se, em 15 de dezembro de 1960, com a compra de uma de suas fazendas, no pantanal do Mato Grosso, que chamava Tupaci, na língua dos índios Kaduwéus (índios cavaleiros).

O distrito de Tupãssi crescia, tanto no número de habitantes, quanto na agricultura. O Cartório do Registro Civil que existia naquela época registrou em 1962, o nascimento de 81 crianças. O número de registros aumentou para 251 em 1963 e 588 em 1964. Registrou-se também em Tupãssi, em 1962, apenas um casamento. No entanto, em 1963 eram 21; em 1964, 84 e até o dia 1.º de setembro de 1965, haviam sido realizados 103 casamentos.

A pedido do jornalista David Násser, na ocasião em que o embaixador Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Mello, iria se submeter a uma difícil intervenção cirúrgica nos Estados Unidos, mudou o nome Tupãci para Assis Chateaubriand, em homenagem ao representante dos jornalistas brasileiros, imortalizando assim, o nome desse audaz pioneiro e semeador do progresso. 

Famílias Tradicionais
[editar | editar código-fonte]

(Relacione as famílias mais antigas e tradicionais do município, por ordem alfabética de sobrenome e separado por vírgulas.)

ARAÚJO, José Antônio de, popular “Baiano da Foice”; MARTÍNEZ, Oscar; MELLO, Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de; NÁSSER, David; SANTOS, Adízio Figueiredo dos; e SANTOS, Francisco Antonio dos. 

Instituições
[editar | editar código-fonte]

Cartórios de Registro Civil, Notas e similares
[editar | editar código-fonte]

(Inclua as unidades cartoriais do município, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver.)

Cemitérios
[editar | editar código-fonte]

(Inclua o(s) nome(s) do(s) cemitério(s) do município, tanto públicos quanto particulares, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver)

Centros de História da Família
[editar | editar código-fonte]

(Inclua o(s) nome(s) do(s) Centro(s) de História da Família existente(s) no município. Utilize a opção Inserir Hiperlink para ligá-lo à página do Centro na Wiki.)

Locais de Registros Religiosos
[editar | editar código-fonte]

(Inclua as igrejas e outras instituições ligadas a estas, como dioceses, arquidioceses e escritórios, existentes no municípios, bem como endereço, telefone, e-mails e links para páginas virtuais, se houver.)

Outros Locais e Instituições
[editar | editar código-fonte]

(Inclua Associações, Arquivos Públicos, Bibliotecas, Institutos Históricos, Museus, Prefeituras e qualquer outra instituição que possa conter acervo de interesse para a História da Família ou que possa servir de meio para contato no município; inclua endereços, telefones para contato, e-mails e links para páginas virtuais, se houver. Relacione-os em ordem alfabética.)

Outros Recursos de Pesquisa
[editar | editar código-fonte]

(Inclua outros recursos que possam ser utilizados para pesquisa específica no município, como comunidades online, páginas pessoais, etc.)

Bibliografias
[editar | editar código-fonte]

(Inclua livros já publicados relacionados à localidade.)

Referências
[editar | editar código-fonte]

  1. https://pt.wikipedia.org/wiki/Assis Chateaubriand (Paraná)
  2. http://cod.ibge.gov.br/233Z8